O último beijo 

Achei perdido aqui nos meus rascunhos, e apesar de fazer parte de uma realidade distante, acredito que deva ser publicado.

__________________________________________________________________________________________

Não foi bem como eu esperava. Foi distante, quase não acontecido. Foi em sonho, na verdade. Mas o que eu poderia fazer? Só assim era possível.

O sonho foi, na verdade, a continuidade dos sentimentos da realidade. E então, aconteceu como eu gostaria que tivesse sido um sonho com continuação na realidade. Entre lá e cá, num canto trash você me puxou e então…foi. Tiveram testemunhas não muito contentes. Rimos. Foi bom.

Acordei com a sensação de perda. Era só a despedida. Está tudo bem agora, fique calma. Penso agora mas na hora pensei que não queria que tivesse acontecido. Afinal, que tortura é não te esquecer nem em sonho. Mas foi bom, precisava ter um final feliz. Pra mim, pelo menos.

Um fim. Um ponto.

Agora eu baixo a guarda, tiro o time de campo. Recolho o campo energético que chegava até você. Não que isso te impedisse de seguir, mas impedia a mim.

Se isso é uma partida real? Claro que não! Continuarei aqui. Continuaremos. É apenas como se fosse um ritual de passagem, do meu querer pro meu viver. De resto, tudo igual.

Quase tudo

(41)

Essa é a diferença de quem te faz bem para quem não faz

Quando um vai embora você sofre 

Já o outro te alivia
Um, quando você lembra

Todo o sentimento bom gera saudade 

O outro

Já não se acha quase sentimento bom

Que dirá saudade
Mas no fim ambos se foram 

O que é triste 
Mas um você quer que volte

Já o outro tanto faz 

(40)

Acalma-te coração Tua aflição é apenas o “não saber”

Todo o resto são coisas supérfluas 

Disfarçadas de preocupação 
Abre teus olhos em meio à escuridão 

O que verás é nada

A menos que abras o coração 
Nele que precisas ir mais à fundo 

Mergulhar com atenção 

Lá no fundo estão escondidos os segredos 

As respostas para tua aflição 
Combine sabedoria e emoção 

Com calma encontrarás a solução 
“Continue a nadar…”

(39)

E, de repente, não sei onde estou Onde estive e para onde vou

Nunca soube quem fui

Quem serei

Quem sou?

De repente vejo que tudo é um nada

A existência está no vácuo

Não tem chão 

Não tem paredes 

Telhados
Talvez nenhuma das minhas palavras tenham feito sentido 

Pois meu sentido hoje já não faz pra mim

O que escrevi por sentir ainda é válido 

Pois mesmo sem saber se realmente sentia

Na hora fez-se realidade 

(38)

Achei enquanto limpava meu bloco de notas. Old but gold.

—————————–

Sobre coisas que me permiti e aprendi:

A falar. O que sinto e o que quero. As pessoas não mordem, o máximo que pode acontecer é obter uma resposta contrária a que você desejava e isso não mata.
A perguntar. Você nunca saberá se não perguntar.

Deduzir não é uma boa opção, nossa mente é traiçoeira.
A me mostrar. Não adianta esconder os defeitos porque uma hora ou outra eles aparecem.

E não tem porque mudar hábitos e manias diante de alguém só para se adequar a seu jeito, porque isso uma hora sai do eixo também.
A tentar. Assim como a pergunta, a tentativa serve para saber se você irá conseguir ou não. Sem ela você nunca saberá.
A deixar passar. Guardar momentos, situações, críticas negativas e pessoas, não vale a pena.

Cada coisa é para ser vivida e, no máximo, lembrada durante as próximas 24h. Depois disso deixe passar. Do contrário, você ficará preso no passado de lembranças e a vida vai embora sem você ver. 

(37)

Hoje eu percebo 

quanto tempo perdi

Quantas vezes fugi

de ser quem eu sou
Hoje percebi 

que muito eu perdi

Fugindo de mim

sendo quem fui
Hoje já não quero

perder mais tempo algum

Deixar ir embora o que quero

Temer o fazer
Perdi muito tempo 

e muita coisa 

Depois de ver a última passar por mim

Hoje serei apenas 

e tudo

que sou

.

Um Brasil de (quase) todos 

Aí vai pro templo rezar

Seja pra Jesus ou Oxalá

Pede paz, pede luz, pede justiça 

Só não pede que Deus te livre da preguiça 

Preguiça que tem de enxergar para além 

De perceber que a vida não é nota de 100
Reclama do tempo, do dólar e da violência 

Mas não se dá conta que isso é resistência

De um povo que vive às margens, que é segregado

Que é todo dia silenciado e tem seu sangue velado 
Eu não falo por mim porque também sou privilegiada

Não nasci em berço de ouro mas também não sou da quebrada 

Nem que eu morasse no fogo cruzado

Saberia a dor de nascer condenado 

A ser réu, a ser menos, a ser maltratado 
É fácil julgar via mobile

Difícil é viver sendo pára raio

Que atrai polícia, droga e discriminação 

Que não tem o amor da família, do pai, do irmão 
Eu só queria que as mensagens chegassem a todos que querem ver bandido morto 

Porque bem NENHUM vale um corpo no esgoto

Não pense no seu iPhone roubado 

Pense que tem preto morrendo todos os dias 

Desde a época em que era escravizado
Nós da pele branca temos passe livre nessa vida

Mas o Brasil de quilombos vai morrer com essa dívida 
Eu queria apenas que você parasse de achar que a realidade é só o que você vê

Que os Direitos Humanos estão aqui pra te foder

Não é proteção à “bandido filho da puta”

É tentativa de resgatar a dignidade de pessoas que já nascem na luta